Degustação de Chás gourmet e estilo de vida.

 
 

09/06/2014

"Chá" de Café? Cáscara Tea!

Outro dia, no meio das minhas pesquisas sobre chá, deparei-me com esta bebida muito interessante. Ela se chama Infusão de Cáscara (do espanhol, casca - não confundir com Cáscara Sagrada, outra infusão) ou Infusão da Cereja do Café, que é nada mais nada menos a infusão proveniente da casca do fruto do café. Esta descoberta foi muito estimulante para continuar os meus testes caseiros com o cafeeiro que plantei aqui no meu ranchinho e tem ido super bem. Abaixo, compartilho com vocês o processo para sua obtenção e preparo.

Café - Coffee
Casca da cereja do café (dir.) e semente do café (esq.)

Acredita-se que o consumo da infusão das cerejas do café antecipa o consumo do próprio café. No Iêmen a bebida chama-se Qishr e além das cascas do café, eles adicionam especiarias como canela e gengibre. Na Etiópia a bebida também é conhecida e é chamada de Hashara. Na Bolívia acontece a mesma coisa, e é conhecida por Sultana. É natural que a fruta e seus derivados tenham vindo antes do café que conhecemos hoje pois sendo o café as sementes da fruta, estas pareciam ser secundárias em seu primórdio.


A Planta e o Processo

Um único cafeeiro dá centenas de flores e frutos - dizem que sua flor é hermafrodita e por isso não é necessária a polinização.

Cachos de flores no cafeeiro e abelha Mamangava. Foto: Yuri Hayashi
Cachos de flores no cafeeiro e abelha Mamangava

Cacho de café verde

Cachos de café maduro.Foto: Yuri Hayashi
Cachos de café maduro

O café possui esta linda fruta chamada de cereja que em seu auge atinge a cor vermelha, indicando a hora apropriada da sua colheita. Neste ponto eu já corto as frutas para despolpá-las e separo a casca da semente em seu invólucro.

Após corte na cereja do café, separando casca e polpa/sementes. Foto: Yuri Hayashi
Após corte na cereja do café, separando casca e polpa/sementes

A passo seguinte é a secagem ao sol que serve tanto para a obtenção da Infusão de Cáscara como a do próprio café. Aproveitei este processo para ambos, recolhendo-os antes do fim da tarde para que não pegassem umidade da noite. Foram alguns dias assim até que a casca ficasse totalmente seca (ela perde a maleabilidade e se quebra sob pressão).

Casca da cereja do café seca ao sol - notem o brilho do seu açúcar natural. Foto: Yuri Hayashi
Casca da cereja do café seca ao sol - notem o brilho do seu açúcar natural

Neste estágio você já pode fazer a sua infusão mas testei também adicionar mais um passo ao processo, secando-as no forno em temperatura baixa (180ºC) por pouco tempo (4 minutos). O resultado foi cascas levemente torradas que trouxeram à minha casa um aroma delicioso de nozes.

Casca da cereja com secagem ao sol e secagem em forno. Foto: Yuri Hayashi
Casca da cereja com secagem ao sol e secagem em forno

Para preparar a bebida, fervi àgua (100ºC) e adicionei às cascas (1 colher de chá) deixando-as por 4 minutos em recipiente fechado, escoando o líquido para uma xícara ao final (esta parte de quantidade x tempo é altamente personalizável, de acordo com o seu gosto). Para melhor aproveitamento desta infusão eu sugiro deixá-la esfriar um pouco, tomando-a morna. Gelada também é uma boa opção para dias quentes.

Fazendo a infusão do Cascara. Foto: Yuri Hayashi
Fazendo a infusão do Cáscara

Cascas após infusão. Foto: Yuri Hayashi
Cascas após infusão

O Resultado

Nunca imaginei que encontraria tanta complexidade e satisfação em uma infusão das cascas do café. O que antes era descartado, hoje faz parte da minha despensa. O seu aroma lembra mato fresco (o que parece um pouco desanimador ao início). Mas o seu sabor, ao contrário, possui presença. É adocicado como mel, lembrando rosas, com nuâncias de frutas como maçã e morango, e contrastam com uma leve acidez, um azedinho que lembra o encontrado no limão. Também encontro notas vegetais, terrosas, tabaco e em alguns momentos lembramos o aroma do próprio café, mas apenas em sutis e rápidos momentos. A versão tostada garante notas de nozes enquanto a versão somente seca ao sol é mais fresca e leve. Esta experiência traz uma complexidade muito prazerosa que ainda nos presenteia com um ótimo aftertaste, agradável, levemente adocicado e sensação de paladar limpo. Seu liquor traz uma coloração que também faz bem aos olhos, um âmbar perfeito, com tonalidades rosadas. Em se tratando de cafeína, algumas fontes citam que ele possui mas em quantidade baixa, proporção de 1/4 da do café tradicional.

O liquor resultante da Infusão de Cascara. Foto: Yuri Hayashi
O liquor resultante da Infusão de Cáscara

Abaixo o que "restou" sem uso agora, mas que importará para uma futura postagem sobre o próprio café, assim que fizer outros experimentos!

O café, tirado do pergaminho. Foto: Yuri Hayashi
O café, tirado do pergaminho

Até lá!


* Este artigo é o fruto de um trabalho de pesquisa séria, que me toma bastante tempo e que faço com o maior prazer. Caso você queira reproduzí-lo na íntegra ou fazer alguma citação do seu conteúdo, por favor, entre em contato e nunca se esqueça de colocar os créditos para o meu site.
 Agradeço pela consideração.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

7 comentários:

  1. Achei genial!

    Vou olhar com olhos mais carinhosos o pé de café da minha avó.
    Parabéns também pelas fotos, acho elas sempre muito bonitas.

    Abusando um pouco da sua boa vontade, posso pedir um "especial" sobre como secar as folhas e frutos em geral, para infusões?

    Obrigado pelo post!

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Daniel!
      Obrigada pelo comentário. Espero que seja encorajador para aproveitar o cafeeiro da sua avó também!
      Eu particularmente acho que cada coisa tem um processamento específico... por isso torna um pouco difícil escrever de forma genérica sobre secagem para infusões. Mas vou pensar a respeito!
      Abraços!!!
      Yuri

      Excluir
  2. Nunca li qualquer informação sobre isso e achei fantástico, Yuri! Não tenho especial apego ao café, mas depois de sua estimulante descrição sobre o aroma e sabor dessa infusão, vou ter que experimentar!
    Beijos. Aline.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Aline!
      Eu também não conhecia até pouco tempo atrás, veja que pena! Eu sinceramente digo que vale a pena conhecer. Em termos de complexidade, para uma infusão, é muito boa.
      Beijos grandes!!!
      Yuri

      Excluir
  3. Que interessante! Não conhecia esse "chá de café". Fiquei com vontade de experimentar!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Recomendo muito! Mal posso esperar a próxima leva do meu cafeeiro :-).
      Abraços!
      Yuri

      Excluir
  4. Adoro café e fiquei curiosa por esse chá, vou provar.
    E vc sabe os benefícios desse chá, as propriedades?
    Seria muito interessante saber para estimular ainda mais a vontade de experimenta-lo😉
    Parabéns pela sua excelente pesquisa e que possa nos agraciar com mais dessas.
    Abraços

    ResponderExcluir

INSTAGRAM @chaarteevida

Escola de Chá Embahú

Comentários Recentes

Receba as atualizações por email

Este símbolo indica conteúdo em língua inglesa
♦♦ Este símbolo indica conteúdo em língua francesa
♦♦♦ Este símbolo indica conteúdo em língua japonesa
Este símbolo indica conteúdo em língua espanhola


Arquivo do blog

Siga-me!

InstagramFlickrFacebookFeed RSSFlickrTwitter Feed RSS
 
| Início | Sobre a Autora | Entre em Contato | Escola de Chá Embahú |

Design e Fotos por Yuri Hayashi.
"Chá & Poesia" - Todos os direitos reservados, 2008®, 2009®.
"Chá, Arte e Vida!" - Todos os direitos reservados, de 2010® a 2016®.